É possível sofrer um aborto espontâneo após a FIV?

Quando falamos em Fertilização in vitro (FIV), muitos casais pensam que as chances de aborto não existem ou são reduzidas. Mas a verdade, é que as coisas não funcionam bem assim.

Depois que a gestação é confirmada, estudos têm comprovado que as taxas de aborto espontâneo em mulheres que realizaram a Fertilização in vitro são similares às daquelas que engravidaram naturalmente, ou seja, cerca de 15 a 20% das gestações.

A verdade é que a idade da mulher é um fator que pesa bastante, sobretudo em mulheres com 40 anos ou mais.

Como sabemos, nessa faixa etária, a quantidade e a qualidade dos óvulos não são as mesmas, o que pode elevar em até 50% a possibilidade de perda gestacional nos primeiros meses.

Por isso, é cada vez mais comum a realização do teste genético (PGT-A) antes da transferência do embrião. A partir da biópsia de algumas células, é possível identificar alterações cromossômicas (aneuploidias) e selecionar para transferência apenas embriões sem alterações (euploides). Desse modo, reduzimos as chances de aborto e elevamos a probabilidade de ter um bebê saudável em casa.

Em mulheres com 37 anos ou mais, a realização desse tipo de teste é cada vez mais aconselhável porque, a partir dessa idade, os riscos de alterações cromossômicas são maiores, como a Síndrome de Down, por exemplo.

Uma outra vantagem da análise genética de embriões é poder transferir um único embrião euploide e, assim, reduzir os riscos de gestação gemelar ou múltipla e, ao mesmo tempo, manter as chances de sucesso da Fertilização in vitro.

Para mais informações, fale com a Fertivitro!
WhatsApp (11) 99546-6272.

Dr. Luiz Eduardo Albuquerque
CRM 61351
Reprodução Humana Assistida

#fertilizaçãoinvitro #abortoespontaneo #perdagestacional #testegenetico #embriao #tentante #medicinareprodutiva #reproduçãoassistida #drluizeduardoalbuqueque #fertivitro