Frente à dificuldade de engravidar, muitos casais começam a peregrinação em busca das possibilidades de uma fertilização assistida. E naturalmente, surgem muitas dúvidas sobre os tipos de procedimentos, qual deles é o mais adequado para cada caso e por onde começar. Por isso, preparamos oito perguntas e respostas, que ajudarão a entender melhor a reprodução humana assistida.

1)      Queremos engravidar e não conseguimos. O que fazer?

Se o casal tentou engravidar naturalmente, sem métodos anticoncepcionais, em um período de 12 meses e não conseguiu, a hora é de investigar os motivos. Os especialistas em reprodução humana poderão ajuda-los.

 

2)      Por que não conseguimos engravidar?

As causas podem ter inúmeros motivos e apenas um especialista poderá avaliar a saúde integral do casal. Homens e mulheres podem apresentar problemas sem causas aparentes que estão contribuindo para a dificuldade.

 

3)      O que é reprodução assistida?

Como o próprio nome sugere, Reprodução Assistida é o nome dado aos tratamentos que podem ajudar casais com dificuldade de engravidar naturalmente.  Os tratamentos mais frequentes são a Inseminação Intra-Uterina e Fertilização in vitro/ICSI (Injeção IntraCitoplasmática de Espermatozóides).

 

4)      Inseminação artificial e in vitro são a mesma coisa?

Não, na verdade, ambas são técnicas distintas de reprodução assistida. A inseminação artificial ou Inseminação Intra-Uterina é a técnica considerada a mais simples e pode ser realizada durante um ciclo ovulatório natural ou com uso de hormônios indutores da ovulação. Após acompanhamento ecográfico, no dia previsto para que a ovulação ocorra, a amostra de sémen é colhida e preparada no laboratório, de modo a selecionar os espermatozoides que serão inseridos por meio de um cateter no útero. A Fertilização in vitro (FIV)/ Injeção IntraCitoplasmática de Espermatozóides (ICSI) é uma técnica de alta complexidade e acontece em ambiente laboratorial. Realiza-se uma geralmente uma estimulação ovariana com hormônios injetáveis. Após o estímulo ovariano, os óvulos são captados por meio da punção guiada por ultrassom transvaginal e fertilizados por espermatozoides em ambiente laboratorial. Após a formação dos embriões, estes são inseridos dentro do útero.

 

5)      As chances de um óvulo ser fecundado diminuem com a idade?

Com certeza a idade é um fator muito importante para a fertilidade. Quanto maior a idade, menores são as possibilidades de o óvulo ser fertilizado, devido à queda da  quantidade e a qualidade destes.

 

6)      Homens que permanecem muito tempo sentados podem ficar estéreis?

Não existe nenhuma comprovação entre o fato do homem passar muito tempo sentado e a esterilidade. Porém, não é recomendado, ficar muito tempo sentado, utilizar roupas muito apertadas ou trabalhar em ambientes muito quentes, que favorecem o aquecimento dos testículos, o que pode ser prejudicial à produção dos espermatozoides.

 

7)      É possível congelar óvulos?

Essa é uma técnica que pode ajudar as mulheres que querem ter filhos mais tarde. A vitrificação dos óvulos, uma das maiores evoluções da reprodução assistida, permite que as chances de sucesso sejam semelhantes a idade dos óvulos à época do congelamento.

 

8)      Qualquer um pode doar espermatozoides ou ovários?

Não. Segundo O Conselho Federal de Medicina (CFM) que regulamenta as técnicas de Reprodução Assistida, a Resolução CFM nº 2.168/2017 determina que a idade limite para a doação de gametas é de 35 anos para a mulher e de 50 anos para o homem.

Para saber mais sobre reprodução humana assistida, agende uma consulta com a Fertivitro (11) 5081-2037