Alguns hábitos rotineiros, como alimentação saudável, atividades físicas, ingestão de vitaminas, menos estresse e mais qualidade de vida, colaboram para a fertilidade dos pacientes. O ginecologista e especialista em Reprodução Humana, Dr. Luiz Eduardo Albuquerque, diretor da Fertivitro, relaciona 5 dicas de como é possível estimular a fertilidade feminina e masculina de forma natural e simples, apenas com a mudança de atitudes.

1- Alimentação equilibrada

Alimentos ricos em Ômega 3 como os peixes, proteínas, grãos (vitamina E), legumes e frutas são indicados, pois podem melhorar a qualidade do espermatozoide. Já as dietas ricas em carne vermelha e carboidratos refinados prejudicam a capacidade de movimentação dos espermatozoides. Homens que ingerem gorduras trans apresentam diminuição na quantidade de espermatozoides encontrados no sêmen.

Sugere-se evitar carne bovina mal passada, peixe cru e alimentos que não estão bem lavados, por transmitirem a toxoplasmose, entre outras doenças, principalmente, para as mulheres. “Alimentos afrodisíacos, como amendoim, não estimulam a fertilidade, isso é mito. Da mesma forma que comer abacaxi, gelatina e inhame e tomar suplementos de A a Z não interferem na fertilidade”, alerta Dr. Luiz.


2- Vitaminas

A administração de vitaminas e oligoelementos (microminerais) podem ajudar de uma forma racional e econômica na luta contra a infertilidade, antes de iniciar um tratamento médico. Alguns antioxidantes, vitaminas e minerais ajudam na fertilidade feminina e masculina.

Vitamina C: tem sido associada com a melhora da qualidade do esperma e fragmentação de DNA, auxiliando a reduzir as chances de aborto.

Vitamina D: é necessária para ajudar o corpo a produzir os hormônios sexuais responsáveis pela ovulação. Além disso, quando diminuída esta associada a falhas de implantação do embrião.

Vitamina E: estudos demonstram que a vitamina E melhora a qualidade dos espermatozoides. Ela também é um antioxidante importante para neutralizar os radicais livres, ajuda a proteger o esperma, auxilia na fertilização e na integridade do DNA do óvulo.


3- Exercícios físicos

Atividade física realizada de forma moderada evita a obesidade e, consequentemente, pode evitar a Síndrome do Ovário Policístico (SOP), a qual geralmente prejudica a ovulação.

4- Qualidade de vida

Diminuir o ritmo de trabalho e aumentar as atividades físicas ou de lazer, que aliviam o estresse, impactam na saúde física e mental. Excesso de peso pode diminuir a fertilidade do homem e da mulher. O desequilíbrio hormonal pode causar Síndrome do Ovário Policístico (SOP), ciclos menstruais irregulares, anovulação (diminuição ou parada da ovulação) e poucas chances de gestação. “Mas não é preciso exagerar nas dietas e nos exercícios físicos, porque tudo em excesso pode ser prejudicial”, aconselha o especialista da Fertivitro.

5- Evite álcool e drogas

Evite o consumo de cigarros, bebidas alcoólicas, substâncias químicas e hormônios masculinos, porque são contraindicados para quem pretende ter um filho.