Fator Imunológico

A gravidez é uma condição particular do ponto de vista imunológico, pelo fato de o embrião apresentar metade de suas características provenientes do pai, que é um organismo estranho.

Desta forma, o funcionamento harmônico do sistema imune é fundamental para o progresso da gravidez, pois ele deverá reconhecer o embrião “não-próprio” e, ao mesmo tempo, aceitar e permitir o seu crescimento até o nascimento.

Acredita-se que deva existir um processo de reconhecimento do embrião pelo sistema imune materno, sem que isso resulte em sua destruição, como se fosse um agente estranho, como uma bactéria ou um órgão transplantado.

Algumas vezes, pequenas alterações da função imune, ainda que não leve a nenhum tipo de problema fora do período gestacional, podem fazer com que o sucesso da gravidez seja comprometido.

Existem várias formas de avaliar o funcionamento do sistema imune nestes casos, com diferentes modalidades de tratamento.

Muitas teorias já foram propostas para explicar o processo em que o organismo materno não rejeita o embrião. Dentre essas teorias, está a produção de anticorpos bloqueadores que protegem o embrião e também do controle e equilíbrio da atividade de células de defesa do sistema imune. No entanto, o mecanismo exato envolvido ainda não foi esclarecido e é um tema bastante polêmico na literatura médica especializada.