Hormônio Folículo Estimulante (FSH), Hormônio Luteinizante (LH) e Hormônio Estradiol (E2)

A amostra de sangue é retirada, o mais próximo possível, no 3º dia do ciclo menstrual. O FSH e o LH são hormônios produzidos pela glândula hipófise, cujos níveis se relacionam com o funcionamento ovariano, aumentando conforme a menopausa se aproxima.

O Estradiol, por sua vez, é a resposta do ovário ao estímulo do FSH e LH.

Dosagem da Progesterona

É um exame de sangue realizado, aproximadamente, uma semana antes do início do período menstrual, já que, em um ciclo normal, está é a fase de pico dos níveis de progesterona. Um bom nível de progesterona confirma a ovulação. Esse exame pode ser usado para monitorar as pacientes que utilizam medicamentos para tratamento da fertilidade.

Dosagem de Hormônio Anti-Mulleriano

A dosagem do hormônio anti-mülleriano é o melhor marcador da reserva ovariana existente, podendo determinar indiretamente qual a quantidade de óvulos e ajudar na previsão da idade da menopausa.

Dosagem da Prolactina

Solicitada, na maioria das vezes, junto à Progesterona. A elevação da Prolactina pode representar distúrbios na ovulação e implantação (fase em que o pré-embrião fixa-se no útero).

Dosagem de Hormônios Tireoidianos

No caso de algum problema identificado na tireoide, a fertilidade da mulher poderá estar comprometida, porque a correta atuação da glândula facilita a ovulação e implantação do embrião. Além disso, mesmo que a paciente fique grávida, existe o risco aumentado de aborto.

Exames de sangue para avaliação da tireóide: T4 livre (tiroxina) e TSH (hormônio estimulador da tireoide).

Dosagem de Vitamina D

Na infertilidade feminina, a deficiência de vitamina D foi associada a problemas na ovulação e falha de implantação.

Os níveis adequados de vitamina D também estão associados ao bom desenvolvimento fetal.