Laqueadura tubária é um procedimento cirúrgico que faz o corte das trompas, que vão dos ovários até o útero. A cirurgia é realizada para impedir o encontro do óvulo com o espermatozoide e, consequentemente, a fecundação.

Considerada um método contraceptivo, por impedir a gestação, a cirurgia só pode ser realizada, de acordo com a lei brasileira, em mulheres com mais de 25 anos ou que tenham, no mínimo, dois filhos vivos. As mais jovens devem adotar outros métodos contraceptivos.

Em casos em que a mulher decide tentar uma nova gravidez após a laqueadura é possível adotar duas formas de tratamento: a reversão cirúrgica e a Fertilização in vitro (FIV).
O grande inconveniente da cirurgia é que, aproximadamente, 50% conseguem uma gestação, porém, estas pacientes necessitam de um tempo de recuperação pós-cirurgia de cerca de seis meses para iniciar a tentar engravidar, sendo que após um ano tentando engravidar sem sucesso a indicação é a FIV. Para saber se é possível realizar a reversão, a paciente deverá realizar uma cirurgia.
Já a FIV, não necessita aguardar nenhum tempo importante para iniciar o tratamento. O procedimento é indicado para pacientes acima de 35 anos, pois, geralmente, o objetivo é conseguir apenas mais uma gestação.