Atualmente, é possível aos casais homoafetivos, assim como casais que por algum motivo não tenham gametas, conseguirem uma gestação por meio de doação de gametas, seja sêmen (banco de sêmen) ou oócitos (ovodoação).

No caso de casais homossexuais femininos, também é possível, uma das mulheres pode doar os óvulos e a outra gestar a criança.

Embora a grande maioria das mulheres que procuram os tratamentos de infertilidade seja casada, nos últimos anos, vem aumentando o número de mulheres solteiras que desejam ter filhos. Nestes casos, a única maneira de ficarem grávidas, será por meio de doação de sêmen.

A doação de sêmen é voluntária e homem precisa ter idade limite de 50 anos. Além do anonimato, garantido ao doador por determinação da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e Conselho Federal de Medicina, as famílias, bem como as crianças, não terão sua identidade revelada a ele.

No Brasil, a doação de sêmen não pode ser comercializada, ou seja, o doador, em hipótese alguma poderá ser remunerado, correndo o risco de ser penalizado pelas leis vigentes, no caso de infração.